São Paulo | Candidato a Vereador | Eleições 2016



Compartilhe este Perfil

“O Estado é um mal necessário, que necessita de constante vigilância, pelo bom político e pelo cidadão de bem.”

FALE COMIGO

Júlio César Martins Casarin

Quem é

Advogado militante, Julio Casarin atua na área do Direito Trabalhista e Direito Civil. Foi Vice Presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo e Autor da tese “O aprimoramento do Ensino Jurídico” publicada no VII Congresso Brasileiro de Direito Constitucional. Escritor de livros jurídicos. Foi Membro da Vigésima Turma do Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo. Em quase 30 anos de militância na advocacia contenciosa e consultiva, advogou para Pessoas Físicas e Jurídicas, Servidores Públicos e Associações de Classe. Ativou-se em inúmeros Congressos, Seminários, e eventos jurídicos no Brasil e no exterior, tendo sido um dos organizadores do Primeiro CID – Congresso Internacional de Direito Brasil-Europa. Atualmente vinculado ao maior escritório de advocacia do Brasil (NWADV). Cristão, desenvolve trabalhos na área de assistência social em creches e asilos. Praticante e amante de Corridas de Rua.

Porque quer ser candidato

No ano de 2015, resolveu participar mais ativamente da política e passou a exercer advocacia pro-bono para a organização “Revoltados on line”. Filiado ao NOVO desde 2016, impetrou diversas medidas judiciais, sendo um pedido de impeachment junto à Câmara dos Deputados e ações populares, entre as quais destacam-se aquela que pede o fim das regalias para a Presidente afastada e a devolução aos cofres públicos dos valores gastos na viagem não oficial feita pela então Presidente da República a Lula no dia 05 de março de 2016. Para continuar na luta, com foco no Estado mínimo e em um Brasil livre de impunidade e corrupção, decidiu ser pré-candidato a Vereador em São Paulo.

O que vai fazer

Incentivar o empreendedorismo, em especial na criação de leis que fomentem as “creches em casa”, a saúde popular, com um posto a no máximo 1,5 km de cada micro-região e na falta deste, voucher para a população; educação de qualidade nas escolas públicas e quando deficitária, incentivo à privatização do ensino. Fiscalização constante e vigorosa do Executivo